fbpx

Telerreabilitação: o que é, como funciona e principais benefícios

por maislaudo / Há 1 mês
telerreabilitação

A telerreabilitação acontece quando há utilização de recursos tecnológicos de informação e comunicação que viabilizam o tratamento à distância. Neste caso, permite que a reabilitação de pacientes com doenças crônicas, deficiências físicas, dentre outras enfermidades seja feita de forma não presencial. 

Mas você sabe como funciona essa prática? No texto a seguir vamos esclarecer as principais dúvidas sobre o tema, como por exemplo:

  • O que é telerreabilitação?
  • Como a instituição deve se preparar para realizar telerreabilitação?
  • Boas práticas para a consulta à distância
  • Principais vantagens da prática

Continue a leitura e confira!

O que é telerreabilitação? 

Como já mencionado acima, a prática consiste na utilização de tecnologias como suporte para o tratamento de reabilitação de pacientes. Este tipo de recurso viabiliza o acesso do atendimento à população localizada em áreas remotas, além de ser uma solução segura em tempos em que o isolamento social se faz necessário. 

Pacientes portadores de doenças crônicas como a Doença de Parkinson, por exemplo, necessitam de exercícios físicos para melhorar suas funções motoras e, logo, sua qualidade de vida. Neste caso, a falta dessas práticas pode contribuir para o agravamento do quadro clínico. 

Portanto, quando o acesso à reabilitação é inviabilizado, a telemedicina surge como principal alternativa para que o tratamento não seja paralisado. 

O atendimento de telerreabilitação pode ser feito com diversas finalidades, entre as principais estão a prescrição de protocolos de exercícios e medidas de reabilitação, além de acompanhamento do desempenho do paciente. 

Como a instituição deve se preparar para realizar telerreabilitação? 

Caso sua clínica decida adotar a telemedicina em sua rotina, é necessário se atentar a dois passos fundamentais: treinamento da equipe e preparação de recursos tecnológicos. 

Entre os recursos importantes para a prática, podemos citar: 

  • Uma boa conexão à internet;
  • Itens de apoio como webcam e microfone;
  • Aplicativos e/ou softwares que forneçam uma boa qualidade de áudio e vídeo.

Em relação à equipe, é necessário que todos estejam familiarizados com as particularidades de uma consulta à distância. Por isso, recomendamos que sejam realizados treinamentos, tanto para introdução dos recursos tecnológicos em suas rotinas quanto para indicação de boas práticas para este tipo de atendimento. 

Além disso, a instituição deve também ter um protocolo bem definido quanto à prática. Ou seja, ter clareza sobre questões como: quais tipos de consultas serão feitas à distância? Qual dispositivo será utilizado? 

Boas práticas para a telerreabilitação

  • Escolha um ambiente privado e bem iluminado para realizar a consulta e solicite o mesmo ao paciente;
  • Caso utilize a chamada por vídeo, peça o telefone do paciente para caso a conexão falhe seja possível prosseguir com a consulta;
  • Certifique ao paciente de que a conexão é confidencial e segura;
  • Esteja com o prontuário do paciente próximo a você;
  • Registre tudo da mesma forma que é feito em uma consulta padrão; 
  • Certifique-se de que o paciente não deseja mais nenhum esclarecimento.
  • Documente a consulta no prontuário do paciente.

Leia também: Conheça as principais vantagens do prontuário eletrônico do paciente

Quando recorrer à telemedicina na reabilitação? 

A telerreabilitação é uma alternativa para situações em que a consulta presencial é impossibilitada por algum motivo ou ainda com a finalidade de otimizar o atendimento médico. Entre as situações mais comuns para uso da telemedicina podemos citar: 

  • Check-ups e avaliações de rotina de doenças crônicas, especialmente se o paciente estiver em casa e tiver equipamentos de monitorização;
  • Por razões administrativas, como reimpressão de atestados e renovação de receitas médicas, por exemplo; 
  • Qualquer condição na qual seja pior ir à instituição de saúde pessoalmente do que ficar em casa.

Cabe à instituição decidir qual é o meio e o dispositivo mais adequado para a realização da consulta à distância. 

O uso do vídeo é interessante para situações em que é necessário avaliar as condições do paciente. Neste caso,  é possível inclusive a realização de um exame físico limitado, especialmente se o paciente tem equipamentos para monitorização ou avaliação em casa e tem segurança de como usá-los. 

Principais vantagens do uso da telemedicina na reabilitação 

A telemedicina é uma medida que já vem sendo utilizada por diversas instituições de saúde pelo mundo. São inúmeras as vantagens alcançadas a partir de sua utilização na rotina médica, sendo as principais delas: 

  • Redução de custos operacionais quando comparados às consultas tradicionais;
  • Melhora na qualidade do atendimento; 
  • Torna o tratamento mais acessível a todos, inclusive à população localizada em regiões remotas; 
  • Permite a continuidade do tratamento em situações em que o deslocamento pode representar um risco, como é o caso de uma pandemia, por exemplo;
  • Maior conforto para os pacientes;
  • Aumento da produtividade da equipe envolvida na reabilitação. 

Leia também: Teleconsulta: o que é, como funciona e principais vantagens

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Telemedicina cardiológica: o que é, como funciona e principais vantagens

A telemedicina cardiológica faz uso de recursos tecnológicos como auxiliares no diagnóstico e tratamento de cardiopatias, assim como em outras alterações no funcionamento do coração.  Sua aplicação pode ser feita em diferentes etapas da assistência médica, proporcionando com isso uma série de benefícios, como atendimento mais ágil, diagnósticos mais precisos, aumento de produtividade, dentre outros.  No […]
LEIA MAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *