fbpx

Prescrição eletrônica: o que é, como funciona e principais benefícios

por maislaudo / Há 5 meses
Prescrição Eletrônica

A prescrição eletrônica é mais um recurso tecnológico que veio para transformar a rotina médica. A estratégia oferece uma série de benefícios assistenciais e econômicos para instituições de saúde. 

A prática é regulamentada pela legislação do Brasil e já é uma realidade para inúmeras clínicas do país. Quer saber mais? Continue a leitura e descubra tudo o que você precisa saber sobre a prescrição eletrônica. 

Você pode se interessar também:

O que é prescrição eletrônica?

A prescrição eletrônica é basicamente uma receita médica digital. Ou seja, elimina-se a necessidade do papel com o detalhamento dos medicamentos indicados para o tratamento, sendo este feito de forma totalmente online. 

Logo, não há necessidade de que o paciente esteja necessariamente próximo ao médico para que este tenha acesso à receita médica. A mesma pode ser gerada, preenchida e enviada virtualmente. 

Porém, a prescrição eletrônica deve seguir as mesmas orientações da receita médica convencional. O documento deve conter as seguintes informações: 

  • Nome completo do médico;
  • Número do CRM do médico;
  • Carimbo;
  • Deve ser validado através de uma assinatura digital.

Como funciona a prescrição eletrônica? 

A principal diferença da prescrição eletrônica para o documento físico é o fato desta requerer uma assinatura digital. Logo, o médico deve contar com uma assinatura eletrônica, certificada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil modelo A3, cartão ou token). 

O processo de elaboração do documento é o mesmo. O profissional deverá preenchê-lo com os formulários médicos (receitas, laudos e atestados), assiná-lo digitalmente, e em seguida encaminhar a prescrição eletrônica para o paciente. Isso pode acontecer via e-mail, SMS, dentre outras opções. 

Veja na página do Conselho Federal de Medicina como profissionais de saúde podem obter o certificado digital

Projeto do Conselho Federal de Medicina 

O Conselho Federal de Medicina, em parceria com o Conselho Federal de Farmácia (CFF) e Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), elaboraram um projeto com objetivo de viabilizar o trâmite de elaboração de documentos médicos digitais. 

O projeto atua na facilitação da relação remota entre médico, paciente e farmacêutico. 

Funciona da seguinte maneira: o médico deve fazer o download dos modelos de receita, preenchê-la, assiná-la digitalmente com certificado ICP por meio da ferramenta Adobe Acrobat e enviar o documento para o paciente. 

O paciente pode também validar a receita digital por meio do validador de documentos do Governo.

O documento será então apresentado ao farmacêutico para a compra dos medicamentos, e este por sua vez deverá realizar a dispensação da receita, assinando-a digitalmente e registrando-a em seguida no Registro de Dispensação. 

Saiba mais sobre o projeto no site especial do CFM.

O que diz a legislação? 

Não existe uma lei específica no Brasil sobre a prescrição eletrônica. Entretanto, os direcionamentos presentes na Resolução CFM Nº 1.821/2007, sobre o Prontuário Eletrônico se aplicam ao procedimento de receita médica. 

O documento permite a prática, desde que respeite as normas técnicas das prescrições médicas tradicionais. Além disso, as prescrições devem seguir critérios rigorosos de segurança.  

Veja as principais informações da resolução: 

  • Os métodos de digitalização devem reproduzir todas as informações dos documentos originais;
  • Os arquivos digitais oriundos da digitalização dos documentos do prontuário dos pacientes deverão ser controlados por sistema especializado (Gerenciamento eletrônico de documentos – GED), que possua, minimamente, as seguintes características:

a) Capacidade de utilizar base de dados adequada para o armazenamento dos arquivos digitalizados;

b) Método de indexação que permita criar um arquivamento organizado, possibilitando a pesquisa de maneira simples e eficiente;

c) Obediência aos requisitos do “Nível de garantia de segurança 2 (NGS2)”, estabelecidos no Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde;

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) também reconhece as prescrições eletrônicas, desde que siga as recomendações já citadas anteriormente. 

O órgão, porém, reconhece apenas as prescrições nas receitas de medicamentos que contenham substâncias da Lista C1 e C5 e dos adendos das Listas A1, A2 e B1 da Portaria SVS/MS 344/98, bem como as prescrições de medicamentos antimicrobianos.

Principais benefícios da prescrição eletrônica 

A prescrição eletrônica, assim como demais recursos tecnológicos como o prontuário eletrônico e os laudos online, são medidas que vieram para simplificar e otimizar a rotina em instituições de saúde. 

Mas afinal, quais são as vantagens da adoção da receita médica digital? Veja os principais a seguir: 

  • Ajuda na minimização dos erros de identificação do medicamento presente na receita, principalmente em decorrência da caligrafia;
  • Permite a integração dos dados do histórico de saúde do paciente. Estas informações cruzadas facilitam o diagnóstico e a tomada de decisão mais assertiva para o melhor tratamento para o paciente;
  • Mais agilidade no acesso às informações, uma vez que a receita médica poderá ser acessada de qualquer lugar, e por qualquer pessoa com acesso a um dispositivo digital; 
  • Mais segurança para o paciente. As informações da prescrição eletrônica são protegidas por uma série de protocolos de segurança, fazendo com que apenas pessoas autorizadas tenham acesso aos dados do documento. 

Banner para contato no artigo "Prescrição Eletrônica"

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *