fbpx

Laudo de ressonância magnética da pelve a distância: como funciona?

por eDialog / Há 7 meses
laudo de ressonância magnética da pelve

O laudo de ressonância magnética da pelve é solicitado em clínicas e consultórios médicos principalmente para detecção de doenças ginecológicas. O exame possui alta demanda, por conta de sua capacidade de avaliar múltiplas estruturas anatômicas, como a pelve, o útero ou a próstata, a bexiga, entre outras. 

Justamente por ser altamente demandado em instituições de saúde, é interessante buscar alternativas para otimizar a emissão dos laudos médicos. Nesse sentido, a telemedicina, em especial o serviço de laudos à distância, chega para solucionar essa questão. 

Ao longo deste artigo vamos detalhar o funcionamento da ressonância magnética da pelve, além de apontar as características e vantagens da terceirização na emissão dos laudos. Continue lendo e fique por dentro. 

O que é ressonância magnética da pelve? 

A ressonância magnética da pelve é um exame que tem a capacidade de captar imagens de alta definição dos órgãos internos do corpo humano. Nesse caso, avalia-se especificamente os órgãos do sistema urinário, excretor e reprodutor, além de ossos e músculos pélvicos.

Vale ressaltar que a região da pelve está localizada entre os quadros, com o banco abaixo do umbigo, até a linha acima da região púbica. Por essa razão, é comum que a RM da pelve seja solicitada em casos de avaliação completa do abdômen. 

Por não usar radiação ionizante, o exame não oferece riscos à saúde, como é o caso do raio X comum.

Quais as indicações para ressonância magnética da pelve?

O exame de ressonância magnética da pelve é indicado para investigar alterações em órgãos como bexiga, ureter, reto, além de gerar imagens também do aparelho genital feminino e masculino. 

Além disso, o laudo de RM da pelve também é requerido para identificação de tumores, como o câncer de ovário, de colo uterino, entre outros.

Veja alguns dos casos mais comuns identificados pelo exame:

  • Diagnóstico da endometriose;
  • Mioma uterino;
  • Cistos no ovário; 
  • Identificação de causas da infertilidade;
  • Monitoramento da evolução no tratamento do câncer;
  • Disfunção do movimento pélvico;
  • Sintomas como dor pélvica, sangramento vaginal, entre outros.

Laudo de ressonância magnética da pelve com contraste

O contraste é uma substância utilizada durante o exame de ressonância magnética para realçar as estruturas anatômicas. Na grande maioria dos casos, é utilizado um contraste conhecido como Gadolínio, um metal raro que possui baixa taxa de reações adversas.

No exame de RM é utilizado a tecnologia de emissão de ondas de rádio e campos magnéticos, o que, através da interpretação computacional, possibilita a produção de imagens extremamente detalhadas em diferentes planos de corte (axiais, coronais e oblíquos).

No entanto, há casos em que as imagens obtidas no exame tradicional não são nítidas o suficiente para que seja possível detectar a anomalia corretamente. Isso acontece pois a RM convencional gera imagens escuras, dificultando a diferenciação de órgãos e vasos sanguíneos. 

Quando aplica-se o contraste, a substância irá alterar o campo magnético das áreas examinadas, o que resultará na diferenciação de sinais entre as áreas saudáveis e as que foram afetadas por patologias.

Leia mais sobre a ressonância com contraste aqui. 

Como é a realização de uma ressonância?

O exame tem duração entre 15 minutos a 2 horas, sendo completamente indolor. O único preparo necessário é a solicitação para que o paciente retire qualquer parte metálica do corpo. 

O técnico deve colocar o paciente (vestindo apenas um avental) na máquina, que se parece com um enorme tubo, e em seguida inicia-se o exame voltado para investigação de anomalias na pelve. 

Durante o processo, é preciso que o paciente fique totalmente imóvel, pois um deslocamento mínimo pode comprometer a geração da imagem. Por isso e pelo fato de ficar dentro de um tubo, o exame pode causar desconforto ao paciente. Porém, isso é algo sensorial e não físico, de fato.

Com a ajuda de um microfone, o técnico ou o médico pode ajudar o paciente a se sentir melhor e orientá-lo a ficar na posição recomendada. No final, basta que ele se levante e pode ser encaminhado a uma sala para se trocar.

Como é emitido o laudo a distância de ressonância magnética?

Após a realização do exame, as imagens devem ser analisadas por um especialista que dará o seu parecer sobre o exame do paciente. 

Por se tratar de um exame importante para detecção de uma série de doenças e agilidade ser vital para melhorar as chances de cura do paciente, muitas clínicas buscam soluções para otimizar esse processo. Nesse caso, a solução é recorrer ao serviço de laudo à distância. 

Seu funcionamento é muito simples, sendo necessário apenas quatro passos. Sendo eles:

  1. Realize a Ressonância Magnética da pelve normalmente em sua instituição de saúde e salve as imagens digitais em um arquivo;
  2. Encaminhe o exame para o sistema online de uma empresa de telemedicina;
  3. Um dos radiologistas da empresa terceirizada vai analisar o exame;
  4. O laudo estará disponível para impressão e em geral esse prazo gira em torno de menos de 24 horas úteis.

Leia mais: Laudo de ressonância magnética a distância: como funciona?

Laudo de ressonância magnética da pelve à distância na Mais Laudo

A Mais Laudo oferece o serviço de emissão de laudos à distância de vários exames além da ressonância magnética, como por exemplo exames Raio-X, Tomografia, Eletroencefalograma, Espirometria, Eletrocardiograma, Holter, MAPA, Acuidade Visual, Mamografia, entre outros.

Ficou interessado? A Mais Laudo oferece um teste gratuito para você testar todas as funcionalidades da nossa plataforma e comprovar a eficiência na otimização da gestão da sua clínica médica. Clique na imagem abaixo e garanta.

Banner para teste grátis na Mais Laudo

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *