fbpx

Governança clínica: o que é, para que serve e como aplicá-la

por eDialog / Há 12 meses
governança clínica

A governança clínica é uma estratégia interessante para instituições de saúde que buscam a melhoria contínua em seus serviços. Tem como foco o aprimoramento da assistência ofertada aos pacientes, assim como a otimização da gestão administrativa. 

Ao longo deste artigo vamos explicar detalhadamente o que é e como aplicar o conceito de governança clínica em seu negócio. 

O que é governança clínica? 

Governança clínica é um modelo de gestão em saúde que visa melhorar a qualidade dos cuidados prestados aos pacientes, através de uma abordagem colaborativa e baseada em evidências. 

Portanto, essa é uma estratégia que busca aprimorar a eficácia, eficiência e segurança da assistência à saúde, promovendo a melhoria contínua dos processos clínicos.

O conceito surgiu nos anos 90, a partir de mudanças realizadas no NHS, sistema de saúde nacional do Reino Unido. Foi criado então um modelo de gestão hospitalar que direcionou o foco para o aprimoramento das práticas nacionais e internacionais no atendimento, colocando o paciente no centro de todo o tratamento. 

A governança clínica é um processo contínuo de avaliação, planejamento, implementação e monitoramento das práticas clínicas, que envolve todos os profissionais de saúde, desde médicos e enfermeiros até administradores e gestores. 

A abordagem da governança clínica busca aprimorar a comunicação entre os diferentes membros da equipe, identificar e resolver problemas e promover ações preventivas para melhorar a qualidade dos cuidados prestados.

Alguns dos principais objetivos da governança clínica incluem:

  • redução de erros médicos; 
  • aumento da segurança do paciente;  
  • melhoria da efetividade dos tratamentos; 
  • redução de custos;
  • melhoria da satisfação dos pacientes. 

Para alcançar esses objetivos, a governança clínica utiliza uma série de ferramentas e técnicas, como auditorias clínicas, avaliação de riscos, monitoramento de indicadores de qualidade e utilização de evidências científicas na tomada de decisão clínica. A seguir falaremos mais sobre alguns desses aspectos. 

Leia também: Gestão hospitalar: 5 dicas para uma administração de sucesso

Auditoria clínica

A auditoria clínica é uma ferramenta importante dentro do conceito de governança clínica. Ela consiste na avaliação sistemática e objetiva da qualidade dos cuidados de saúde prestados a um paciente, de modo a identificar áreas de melhoria e garantir que os cuidados sejam baseados em evidências e sigam as melhores práticas clínicas.

A auditoria clínica pode ser realizada por uma equipe interna de auditoria ou por um auditor externo, e pode incluir revisão de registros médicos, avaliação de processos de cuidados e entrevistas com pacientes e profissionais de saúde.

Algumas maneiras pelas quais a auditoria clínica pode ajudar a promover a governança clínica incluem:

  • Identificação de lacunas na qualidade dos cuidados;
  • Promoção de cuidados baseados em evidências;
  • Melhoria da segurança do paciente;
  • Avaliação do desempenho dos profissionais de saúde.

Gerenciamento de riscos

Outro pilar importante dentro da estratégia de governança clínica é o gerenciamento de riscos. Aqui o objetivo é identificar, avaliar e mitigar os riscos associados à prestação de cuidados de saúde. Esses riscos podem incluir erros médicos, eventos adversos, infecções hospitalares, problemas de comunicação e muitos outros.

Ao gerenciar os riscos de forma proativa, as organizações de saúde podem reduzir a incidência de eventos adversos e melhorar a qualidade e segurança dos cuidados de saúde. 

O gerenciamento de riscos também pode ajudar a minimizar a exposição legal e financeira da organização, bem como proteger a reputação e a confiança dos pacientes e das partes interessadas.

O gerenciamento de riscos também está intimamente ligado à cultura de segurança da organização, que é um aspecto importante da governança clínica. A cultura de segurança promove uma abordagem proativa para a identificação e mitigação de riscos, incentivando a comunicação aberta e a colaboração entre a equipe de saúde.

Dicas de como aplicar a governança clínica

Abaixo listamos alguns aspectos importantes para se ter em mente na hora de implementar o conceito de governança clínica. Confira: 

Identifique os objetivos 

O primeiro passo para aplicar a governança clínica é identificar os objetivos e prioridades da organização de saúde. Isso pode incluir a redução de erros médicos, a melhoria da segurança do paciente, a melhoria da efetividade dos tratamentos, a redução de custos e a melhoria da satisfação dos pacientes.

Desenvolva protocolos clínicos 

A governança clínica utiliza protocolos clínicos baseados em evidências, que são diretrizes padronizadas para a prestação de cuidados de saúde. 

Desenvolver protocolos clínicos para as principais áreas de atuação da organização de saúde é fundamental para garantir a qualidade dos cuidados e a segurança do paciente.

Utilize indicadores de desempenho 

Os indicadores de desempenho são uma ferramenta útil para monitorar a qualidade dos cuidados de saúde e identificar áreas de melhoria. A utilização de indicadores de desempenho também permite a comparação dos resultados com outros prestadores de cuidados de saúde e a avaliação do impacto das intervenções realizadas.

Leia também: 7 indicadores de desempenho essenciais para clínicas e consultórios

Monitore continuamente 

A governança clínica é um processo contínuo e dinâmico, que requer monitoramento constante e ajustes à medida que novas evidências ou necessidades surgem. Portanto, é importante manter uma abordagem adaptativa e estar aberto a mudanças e melhorias contínuas.

Como a telemedicina ajuda no conceito de governança clínica?

A telemedicina pode desempenhar um papel importante na governança clínica, ajudando a melhorar a qualidade e a eficácia dos cuidados de saúde. 

Veja a seguir alguns pontos importantes de relacionar ambos conceitos: 

  • Melhoria do acesso aos cuidados de saúde: a telemedicina ajuda a garantir que todos os pacientes tenham acesso aos cuidados de saúde necessários, independentemente da sua localização geográfica;
  • Aumento da eficiência: a telemedicina permite que os médicos atendam a mais pacientes em um período de tempo mais curto. Isso pode ajudar a reduzir os tempos de espera para os pacientes e melhorar a utilização dos recursos de saúde.
  • Melhoria da segurança do paciente: permite que os médicos monitorem os pacientes remotamente e forneçam intervenções precoces para evitar complicações;
  • Melhoria da comunicação: melhora a comunicação entre os membros da equipe de saúde, permitindo que os médicos compartilhem informações e tomem decisões informadas em tempo real. 

Leia também: Atendimento na telemedicina: confira 6 dicas para otimizar a comunicação online

Um dos serviços mais estratégicos da telemedicina, e que vem sendo mais utilizados em instituições de saúde, é o de laudo à distância. Nesse caso, a clínica realiza o exame normalmente, mas envia as imagens para uma empresa terceirizada, como a Mais Laudo, que fica responsável pela elaboração do laudo médico. 

Os laudos são entregues, em sua grande maioria, em até 12 horas úteis após o cadastro em nossa plataforma. Clique na imagem abaixo e solicite um teste grátis. 

Banner no artigo "O que é telemedicina?" para teste grátis Mais Laudo

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Gestão de Operações: 4 formas de otimizar os processos de sua clínica

A gestão de operações é uma estratégia necessária e eficaz para o controle das atividades de uma clínica. Seus fundamentos e aplicações são notórios para os gestores que lidam com custos em saúde rotineiramente. Todavia, é fundamental exercer plenamente esses processos para ter certeza do diagnóstico situacional e propor medidas corretivas e preventivas, conforme o […]
LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *